Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
positivosim@gmail.com Sou um cara normal, que contraiu o HIV em uma relação homossexual monogâmica (ao menos da minha parte). O resto vai ser postado aqui nesse blog...
Google
 

sábado, 24 de novembro de 2007

Perdão

Mais uma vez me vejo diante de desconhecimentos a respeito da minha pessoa. Ao menos tento sempre evoluir, sendo sempre necessário o auto-conhecimento.
Costumava dizer que perdôo tudo, pois realmente não sou uma pessoa que guarde mágoas ou cultive ódios, apesar de algumas vezes, quando injustiçado, ser tomado por um dos 7 pecados capitais, a IRA. Porém isso passa, não costuma perdurar após uma noite de sono.
Me recordo do trecho de um filme, que não lembro o nome mas tenho quase certeza de que era com a Whoopi Golberg. O marido dela havia sido assassinado e alguém pergunta:
- Você não tem ódio dele? (se referindo ao assassino)
O teor da resposta era basicamente o seguinte: Não tenho, de nada adianta o ódio, só faz mal a você mesmo, pois ou a pessoa que você odeia não sabe ou não se importa.
Em suma, quem perde somos nós!
Tive uma briga séria com uma irmã no início do ano, por uma besteira que sequer me lembro. Sei que segurei o braço dela para me escutar e não ir embora e em seguida só me lembro de ter escutado: "Me solta, você vai me passar doença!" (como se o fato do toque fosse conataminá-la com o vírus do HIV - coisa que ela sabe não ser real)
Minha reação foi estranhíssima. Não esperava ouvir isso da minha irmã!! Lembro de tremer sem parar, de ficar com as pernas bambas.
Como ela, minha própria irmã, poderia me dizer tamanho absurdo?!
Ficamos sem nos falar por um período, ainda que morando na mesma casa, mas aquilo não estava legal. Vi que tinha se arrependido e estava sofrendo com isso e então escrevi um e-mail (tenho essa mania, pois se vou conversar e sou interrompido acabo não dizendo tudo o que queria. As coisas me parecem mais claras transformadas em letras). Coloquei tudo para fora. Disse as coisas que me incomodavam; que era e sempre será minha irmã que amo muito, a mesma que me fazia acordar de noite quando pequeno para ver se ela, na época bebê, estava respirando direitinho; que não fazia sentido não nos falarmos mas infelizmente eu não era capaz de perdoar aquela frase. Pedi que ela não se desculpasse pois não conseguiria dar o meu perdão.
Sei que pode parecer horrível da minha parte, mas realmente não consegui. Aquilo ficou dentro de mim. Acho que foi uma grande decepção e que não consigo mais vê-la da mesma forma. Posso brigar com as pessoas, mas certas coisas sou incapaz de dizer, por mais irado, irritado, brabo que eu esteja.
Algumas semanas atrás nos desentendemos novamente, mais uma vez por uma bobagem! Imediatamente aquela frase me veio a cabeça... é algo que ainda não consegui digerir. Porém um dia chego lá!!!!
Por um acaso vi hoje uma reportagem no Portal G1, na parte de ciência e saúde/psicologia, do Globo, que fala de negação e perdão. Assim, posto abaixo um trecho e o link no título para quem se interessar pelo artigo na íntegra:
"... No vernáculo moderno, afirmar que alguém está "em negação" é aplicar um cruel golpe duplo: um no estômago pela traição ou alcoolismo ou mau comportamento e outro tapa na cara pelo covarde ato de se enganar para fingir que nada disso é um problema.

Contudo, estudos recentes das mais diversas áreas, como psicologia e antropologia, sugerem que a capacidade de olhar na outra direção, embora seja potencialmente destrutiva, é também de fundamental importância para construir e nutrir relacionamentos próximos. Os truques psicológicos que as pessoas usam para ignorar um problema desagradável nas próprias famílias são os mesmos de que elas precisam para conviver com a desonestidade e a traição comuns ao homem, sejam detectadas nelas mesmas ou em terceiros. E são exatamente essas habilidades altamente evoluídas, como sugerem as pesquisas, que servem de base para o mais aplacador de todos os atrativos humanos, o perdão. ..."

5 comentários:

stella halley disse...

O filme a que você se refere é Fantasma do Passado (Ghosts from Mississipi). A citação é exatamente como você lembra: “Quando você odeia; só quem sofre é você. A maioria dos que você odeia não sabe, e os outros não se importam.”

Espero que você e sua irmã voltem a se entender. A falta de união na família desgasta e afeta a todos. Muito carinho para você,
sh

Positivo Sim disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nando disse...

rpz do blog!!
muito bacana sua opniao sobre o perdão... tento ser assim na minha vida...

Positivo Sim disse...

Nando,
que bom, acho que esse é um caminho que todos devemos buscar.
Abraço forte em você!

Positivo Sim disse...

SH,
Obrigado pela informação. Acho que vou assistir ao filme novamente.
Quanto à minha irmã, acho que é algo a ser levado para minha próxima sessão de terapia. :)
Um beijo grande