Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
positivosim@gmail.com Sou um cara normal, que contraiu o HIV em uma relação homossexual monogâmica (ao menos da minha parte). O resto vai ser postado aqui nesse blog...
Google
 

sábado, 23 de maio de 2009

Repetindo?

O nome do post diz tudo... ando tão atarefado, pouco tempo para mim. Não consigo colocar a vida pessoal em dia e muito menos o blog.
Tempos mais calmos hão de vir!
Talvez já tenha postado esse assunto, mas o tempo é escasso e colocarei um post breve sem verifcar as outras postagens, pois a semana não está me permitindo ter finais de semana para descansar, preciso trabalhar em casa também.
Após uns 4 ou cinco anos após um relacionamento com uma pessoa com quem trabalho atualmente ouvi a seguinte pergunta: "como está sua saúde, está tomando remédios?"
Respondi naturalmente de imediato veio a pergunta: "quem te falou?". Afinal eu não havia contado nada.
Minha resposta foi um murro na boca do estômago, pois desde a primeira vez que ficamos diversas pessoas haviam contado que eu era soropositivo e que era para ele se cuidar. Pessoa informada que é, não se importou com isso e continuamos a nos relacionar. Ele esperando a hora em que eu iria contar, quando eu me sentisse confortável com isso. O relacionamento terminou antes disso acontecer.
Várias pessoas que eu sequer sabia que sabiam sobre a minha condição haviam falado, bem como um dos meus melhores amigos, e esse no dia que nos conhecemos.
Com já disse, aprecio muito os militantes, porém não sou um. Prefiro conservar minha privacidade e não ter que enfrentar maiores preconceitos, bem como pena daqueles que não compreendem a situação.
A questão é: é difícil saber em quem confiar! Como bem me disse a pessoa que me perguntou como eu estava, sabemos apenas de nós e assim nos precavemos, dos outros não podemos esperar certas atitudes e comportamentos, tanto no que tange ao sexo quanto às amizades.
As pessoas falam por milhões de motivos, nem sempre com preconceito. Algumas vezes são questões de posse, ciúmes que não sabemos existir. Falam para que os outros se afastem pelos mais diversos motivos.
A partir de então resolvi me calar, ficar no silêncio, e só contar quando sentir segurança em uma relação. Como não tenho nenhuma há um longo tempo, não contei para mais ninguém.
Atualmente divido o apartamento com um amigo que é soropositivo, contudo até hoje não falei nada a meu respeito.
Pode parecer estranho, mas tenho alguns motivos: não quero preocupá-lo mais, não quero que esse seja um fator de aproximação, pois para mim é um problema único e exclusivamente meu que não altera em nada, e amigos converam com amigos e os "segredos" acabam por escapar. Não quero a situação que tinha no Rio se repetindo em Belo Hoizonte.

A moral da história para mim é a seguinte: se é algo que só me diz respeito, não afetando mais ninguém, para que falar?

Abraços a todos.

5 comentários:

Anônimo disse...

olha amigo acho k tens toda a razao de nao kereres falar pois, tal como eu,k so seroposotiva a 2ans,axo, k a doença apenas nos diz respeito...apesar de nos sabermos k nao afectamos ninguem, as pessoas ainda nao perceberam isso,por diversas razoes nos apontam o dedo,descriminam nos,e nos afastam de tudo e de todos...porke? por isso msmo o melhor e tarmos calados para nossa propria "protecçao"pois ja nos basta o sofrimento k temos k passar todos os dias,sabendo k somos diferentes......sei mto bem k nao somos "aleijados, k podemos fazer mta coisa,mas tbm sei k nunca mais vai ser igual em dia nenhum, oois a pala da ignorancia da maioria das pessoas,facilmente somos escluidos da suciedade.......isso e triste,mto mesmo,pois pensamos k tamos sozinhos no mundo e k nada faz sentido,o k nos leva a fazer mtas asneiras o k, mais uma vez, por culpa dos comentarios de alguem....resumindo:sei k as vezes nao e facil tar calado,pois as vezes sente-se falta de desabafar mas dadas as circunstâncias, o melhor mesmo e guardarmos pa nos!
abraço e mta força pa continuares pa frente...!

wanderlust disse...

Amigo, gostei de encontrar teu blog atualizado.
Olha, estou contigo e não abro quanto ao lance de contar ou não contar. Também respeito quem adota postura mais aberta, mas creio que se trata de um assunto que diz respeito somente à pessoa diretamente afetada e cada um deve ter seus critérios e parâmetros para decidir quando, como, onde e para quem contar.

Positivo Sim disse...

Pois é....
acho que contar ou não é uma questão apenas nossa. Contudo ter pessoas com quem contar(família é tudo de bom quando nos damos bem com ela) pode ser ótimo para nâo ficarmos guardando tudo para nós.
Abraços e beijos

Anônimo disse...

Acho que vcn tá no caminho certo!

Não esponha suas vulnerabilidades à toa. Se for o caso de vc vir a falar, vc vai avaliar o bom momento.

Tenho um amigo que namora há 7 anos com um cara, que só lhe foi contar que é soroporitivo no 5o ano. deu-se uma crise, que já passou e estão juntos. É isso!
Paz e Luz!

Positivo Sim disse...

Bacana a história da sua amiga, mas acho que não conseguiria guardar por tanto tempo...
Abraços