Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
positivosim@gmail.com Sou um cara normal, que contraiu o HIV em uma relação homossexual monogâmica (ao menos da minha parte). O resto vai ser postado aqui nesse blog...
Google
 

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Comportamentos Compulsivos

Ando tendo alguns problemas com questões compulsivas, e notei que isso ocorre mais do que havia percebido. Não falo só de mim, mas das pessoas ao meu redor também.
Vejo as pessoas colocando coisas para dentro: comida, álcool, cigarro, maconha, outras drogas, sonhos. É uma forma de fuga, de tentar um preenchimento que não te completa. Pode ser até sexo ou compras.
No meu caso, agora, por exemplo, estou com “fome”, mas na verdade é vontade de comer, de colocar alguma coisa para dentro, não vou fazer pois estou consciente disso, mas a vontade é absurda.
Nos últimos dois meses gastei uma verdadeira fortuna fazendo compras que sequer eram tão necessárias, mais uma tentativa de preenchimento que só traz satisfação momentânea.
O mesmo ocorre comigo quando se trata de água (costumo beber água como quem respira, o que me faz acordar várias vezes durante a noite para ir ao banheiro, fora as diversas vezes durante o dia), e também com álcool.
Não sou alcoólatra, ao menos não até o momento. Fiz o teste “o A.A. é para você?” e passei “raspando” por uma questão, porém tenho absoluta ciência de que sou um abusador, ou seja, aquela pessoa que não precisa beber, porém quando começa, na maioria das vezes não sabe parar. No dia seguinte do exagero me sinto culpado e tenho “ressaca moral”, afinal acabo não aproveitando tanto e DETESTO perder o controle.
Vejo algumas pessoas da minha família dormindo demais durante o dia, meu pai fumando como uma chaminé, outros comendo, alguns amigos fumando maconha todos os dias, diversas vezes por dia, e, ainda, drogas mais pesadas. Com as drogas pesadas e álcool, perdi um amigo há pouco tempo. Tentou se preencher, porém só o fez com prazeres imediatos, ao invés de utilizar algo que realmente melhorasse sua condição.
Por tudo isso, amanhã irei ao meu psiquiatra. O mesmo que costumava ir antes da minha última terapia, quando ainda não tinha ido para BH. Pretendo retomar minha terapia em breve, mas preciso procurar um novo terapeuta, e no momento será bom conversar com uma pessoa que sabe muito da minha vida, que acompanhou diversos momentos difíceis e para quem possa falar qualquer coisa sem preocupação de que o assunto saia da sala ou afete qualquer pessoa diretamente que não eu.
Acredito que saiba o porquê de estar agindo assim, afinal deixei para trás parte da minha liberdade em BH. A liberdade de ter o meu apartamento, onde os móveis ficavam onde eu bem entendia, de poder convidar quem eu quisesse na hora que quisesse. Além disso, meu trabalho atual é em casa e fazer o horário de trabalho em uma casa com outras pessoas é muito complicado, afinal a movimentação acaba distraindo e, no meu caso, acabo produzindo mais à noite, o que me traz insônia, que é acrescida pelo estresse de várias questões pelas quais estou passando. Assim, fica difícil acordar cedo disposto a ir para a academia, que me deixa insatisfeito com a falta de força de vontade, com o fato de querer melhorar o aspecto do meu corpo e assim por diante…
Esses desabafos são bons, pois por mais que eu saiba disso, ao ver escrito me parece que é o primeiro passo, pois fica registrado e me força a fazer algo a respeito, assim como o fato de não estar comendo alguma coisa mesmo com vontade. Afinal, se eu o fizesse tudo que escrevi teria sido em vão, seria o mesmo que deletar esse post após escrevê-lo.
Acho que o importante é nos darmos conta do que está ocorrendo, do que podemos fazer para melhorar, e em quem podemos contar para nos ajudar, pois ter alguém com quem conversar a respeito é sempre bom. Quando digo conversar a respeito não me refiro a ficar se lamentando, de forma alguma um monólogo, porém uma conversa saudável com alguém que entenda pelo que está passando e tenha algo a acrescentar. Nem sempre temos alguém assim. Quando isso ocorre, considero o melhor procurar ajuda com um profissional (psicólogo, psicanalista, terapeuta, psiquiatra) ou então através de um grupo de ajuda onde outras pessoas já passaram pelo problema atual e ouvir como lidaram com isso.
Bom, eu estou tomando consciência e tentando fazer algo a respeito. Espero ver os resultados em breve.

4 comentários:

Anônimo disse...

Oi! Concordo contigo, colocamos de tudo pra dentro do nosso corpo por razões que desconhecemos, hora de acordar, com certeza! Abração, Evan.

Anônimo disse...

seu blog é uma fonte de força para seguir em frente! A cada recaída quedou,começo a ler seu blog e já melhoro! Parabéns!

beijão, G.

Positivo Sim disse...

Agradeço enormemente. Não sabe como me fez bem ler sua mensagem!!
Grande beijo

Positivo Sim disse...

Pois é Evan,
o difícil é que temos que nos treinar para isso, e é um treinamento diário. Contudo, a cada dia vao ficando mais fácil.
Abraço forte