Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
positivosim@gmail.com Sou um cara normal, que contraiu o HIV em uma relação homossexual monogâmica (ao menos da minha parte). O resto vai ser postado aqui nesse blog...
Google
 

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Passado, Presente e Futuro

É impressionante como viver o presente é um problema constante para mim. Se não tenho uma disciplina rígida instituída por conta de um trabalho com horários definidos, onde encaixo outras atividades em seus respectivos horários, simplesmente tudo desaba. Com isso aparece uma questão:
O QUÊ FAZER PARA NÃO CAIR NESSA ARMADILHA? NA ARMADILHA DE EVITAR O PRESENTE, PENSANDO NO PASSADO, FUTURO E NÃO UTILIZANDO O SEU POTENCIAL PARA RESOLVER OS PROBLEMAS ATUAIS, E COM ISSO REALIZAR UM FUTURO COMO GOSTARIA QUE FOSSE?
Eu dei uma desabada… problemas no trabalho, sendo subutilizado, ou fazendo determinadas tarefas que morrem nelas mesmas, pois são projetos, contatos e tudo o mais que não vai para frente, acabam sendo inúteis pois deveriam acarretar em algo, mas como não tem desenvolvimento é simplesmente trabalho e tempo perdido. Fora isso, como ando com problemas para receber em dia, fico completamente desestruturado, pois o salário no dia correto é um dos meus pilares, já que pago minhas contas e calculo como utilizarei meu dinheiro no mês. A expectativa de receber ou não é algo que me desestrutura completamente. Com essas questões eu acabo me fechando, fugindo de eventos, encontros com amigos. Viro uma ostra, fechado em minha casa/casca, em meu quarto (onde trabalho), me afasto das atividades do dia-a-dia e não ando para frente. Não vivo o presente, pois ele parece terrível e infinito.
Infinito posso considerar o presente, pois o futuro sempre se transformará em presente quando lá chegarmos, e esse tipo de atitude que adotei não leva ninguém a lugar algum! Comecei um antidepressivo que espero surtir efeito em breve e estou fazendo terapia há alguns meses, mas não é fácil quando um quadro de desânimo se estabelece. Também de nada adianta ficar me queixando, o que coloquei aqui foi de caráter ilustrativo para que haja um contexto. A queixa, reclamação do que vivemos não nos tira do quadro, só faz com que ele pareça cada vez maior. A solução está em focar em alguma ação para resolver as questões. Sei que é isso que preciso fazer, tenho total consciência disso, mas ainda não consegui. EM BREVE CONSEGUIREI!
Viver de lembranças e do que poderíamos ter feito de diferente para estar melhor no futuro não é viver. Viver de futuro, da mesma forma, é improdutivo, pois se não mudarmos algo no presente o futuro ficará estagnado. Metas para o futuro são importantes, assim começamos a mudar o presente. Preciso achar minhas metas!
Da minha vida adulta, praticamente a metade já foi convivendo com o HIV, mas isso é apenas um porém, um limitador sim, pois tudo há que ser mais planejado. Não vejo o HIV como um fator de depressão no meu caso, apenas como um fator um pouco limitante, devido aos preconceitos, exames de rotina, etc..
Vi há um tempo atrás, quando pensei nesse post (seria bem diferente, mas o tempo passou, o presente mudou e ele acabou assim), um filme que trata bastante sobre as questões de lidar com passado, presente e futuro.
Abaixo segue o link e a sinopse.
filme_direito_de_amar
Dilacerado pela recente morte de seu amante de longa data em um trágico acidente, George Falconer (Colin Firth) mantém as aparências, ainda visto por outros como um homem no controle. Mas em um dia crucial em 1962, no ensolarado sul da Califórnia onde ele criou raízes, este professor universitário urbano se vê no limite da sua vida. Ele vai descobrir os ecos do passado no presente e vislumbrar versões alternativas do futuro – incluindo a forte possibilidade de nenhum futuro para si mesmo.

2 comentários:

Evan disse...

Bom, tratei de viver o presente e, como disseste, organizo meu dia de forma bem rígida... acredito que foi um bom jeito de achar a felicidade, são peças que caem nos lugares certos, sei lá... estou bem feliz assim. Certo que o hiv alterou bastante a minha rotina, mas não de tal modo que eu não consiga fazer planos, sonho alto sempre! E sabe que alguns dos sonhos já até viraram realidade? Bem bom isso, confesso. Abração, Evan.

Positivo Sim disse...

Que ótimo Evan!
Eu ainda preciso fazer mais o que penso e posto.
:-)
Abraços