Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
positivosim@gmail.com Sou um cara normal, que contraiu o HIV em uma relação homossexual monogâmica (ao menos da minha parte). O resto vai ser postado aqui nesse blog...
Google
 

domingo, 5 de dezembro de 2010

Amor em Tempos de AIDS :-(

Não consegui assistir o documentário que havia colocado no blog nas duas primeiras vezes que passou. Como queria muito ver fiquei essa madrugada acordado esperando o programa passar.
Apenas uma palavra para descrever: decepção!

O amor estava só no título e em um único casal.
Casal sorodiscordante que estava tentando ter um filho através de "lavagem" de esperma. No programa mostra o casamento dos dois e para mim até então foi muito curioso entender como a família do noiva levava tudo tão bem. Foi quando explicaram que o irmão da noiva morreu de AIDS, pois, assim como ele, era hemofílico e foi contaminado do mesmo modo. Tanto o noivo quanto a família da noiva frequentavam o mesmo grupo de ajuda, tendo se conhecendo lá.

Assisti a um programa que mostrava o HIV de forma que eu não vejo, e o amor ficou esquecido.
O programa falava de sobrevida e remédios terríveis, que para mim não é fato.
Será que estou tão desinformado assim?
No início do ano descubro se terei que tomar remédios ou não, mas por tudo que falei com minha médica e com tudo que já vi em relação aos remédios atuais, não é nenhum bicho de sete cabeças, e hoje em dia já é considerada uma doença crônica.

Não sei se fui eu, mas achei o documentário deprimente. Poderia mostrar realmente o amor em tempos de AIDS.

Eu já passei por três namoros nos quais contei que tinha HIV e nos três ocorreu a mesma coisa: pessoas bem informadas que não se importaram. Em um dos casos ainda escutei um "que bom que era isso que queria me falar, eu achei que você queria terminar comigo" (para dizer a verdade achei a frase bastante engraçada na época). Também já passei por uma situação desagradável, quando um cara com quem apenas dei uns beijos, mas achei muito legal, surtou completamente quando eu contei, chorou e tal. Descobri que era uma pessoa muito bacana, mas com milhares de problemas emocionais sérios.

Tenho amigos que tiveram relacionamentos sorodiscordantes, em ambos os lados (portadores e não portadores de HIV) sem que isso fosse um problema. Aliás um grande amigo que tem HIV e toma os remédios (no café e no jantar, e apenas uns poucos comprimidos) está "casado", morando junto com o namorado que não tem o vírus e foi super compreensivo quando ele contou, não mudando em nada o relacionamento.

Acho que esperava ver esse tipo de coisa no documentário. Pessoas procurando outras ou então juntas, com relacionamentos sorodiscordantes ou não. Um programa que falasse de encontros e rejeições e de como o HIV afeta as pessoas atualmente. Infelizmente não vi nada disso.

Fico na dúvida se eu sou otimista demais (não me acho nem um pouco), ou se esse programa foi o que eu considero um total equívoco.

Será que ando assim tão sem noção?!

4 comentários:

Stella Halley disse...

Receber um resultado soropositivo ainda é motivo de tensão e tristeza, medo, etc. Mas já não representa uma sentença de morte ou causa de ostracismo. Felizmente, as coisas mudam, tantas vezes para melhor! A conscientização feita pela mídia e pelo cinema colaborou para minimizar esse tipo de preconceito. Espero que o Natal de 2010 seja o melhor de todos para você. Adoro seu blog, muito positivo! ;-)

wanderlust disse...

também acho que podem mostrar casais sorodiscordantes que lidam de maneira positiva com a situação. no momento, estou vivendo uma relação linda e ele super-compreendeu. na verdade, às vezes sinto que ele é mais relaxado com esse assunto do que eu. a vida continua com o hiv e isso tem que ser divulgado. bj grande e bom fim de ano para você!

Evan disse...

Oi! Não está sem noção não... o programa foi fraco mesmo. Quanto ao teu otimismo, queria ser assim... mantenho tudo em segredo na medida do possível. Abraço!

Positivo Sim disse...

Que bom que a resposta foi unânime!
Conversei com a minha psiquiatra a respeito, que aliás é especializada no assunto e trabalha junto com a minha infecto, e me disse que o programa realmente não mostra a realidade atual.
Abraços