Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, RJ, Brazil
positivosim@gmail.com Sou um cara normal, que contraiu o HIV em uma relação homossexual monogâmica (ao menos da minha parte). O resto vai ser postado aqui nesse blog...
Google
 

terça-feira, 22 de março de 2011

Paixões e Tratamento

Cá estou no final de uma gripe que achei inicialmente que fosse dengue. Já tive duas vezes, uma peguei em Manaus, a outra no Rio mesmo.

A situação está braba por aqui. Primeiro foi o filho da moça que faz faxina aqui em casa (mora na Baixada Fluminense), depois minha irmã, que acaba de se recuperar e teve dengue pela terceira vez (todas aqui no Rio mesmo, na Zona Sul), agora a moça que faz a faxina e o sobrinho dela. Vivo no ar refrigerado, ventiladores e coberto por repelentes para evitar esses malditos mosquitos da dengue, que são a grande maioria na minha casa (dá para ver as patinhas pintadas, características da espécie).

Não sei de onde eles vêm, mas mantenho um aquário ao ar livre e um lago com espécies que são utilizadas no controle biológico, pois se alimentam das larvas dos mosquitos, diminuindo, ainda que pouco, a população destas pragas.

Escrevo enquanto assisto um seriado que gosto bastante, “In Treatment”. Apesar de não ser uma pessoa com perfil “multitask”, consigo escutar em inglês e escrever em português… se vejo algo em português acabo escrevendo palavras que estou escutando e tenho que revisar o que escrevo (o que não costumo fazer nenhum um pouco por aqui… os textos são simplesmente paridos, e isso é proposital, pois prefiro não reler para não analisar o que escrevo e deixar de forma mais natural). O programa, como explicita o título, é sobre sessões de terapia, passado em tempo real como se fosse uma sessão gravada.

O episódio de hoje é sobre uma paciente que não tem coragem de abrir um exame de câncer e o leva para o consultório. O resultado é negativo, e me lembra a angústia que muitas pessoas passam ao abrir o resultado de um exame de HIV.

Vejo esse programa e penso na importância da terapia para mim. Para outras pessoas pode ser religião ou outras coisas, mas para mim a terapia é essencial. É uma pena que estou diminuindo bastante o número de sessões pois meu salário está mais de 3 meses atrasado. Contudo, uma hora dessas arrumo outro emprego e retorno às minhas atividades rotineiras.

Com essa gripe fica adiado o meu exame que definiria o início do tratamento ou se continuo sem medicação. Agora preciso esperar uns 20 dias para que a gripe não afete os exames, dando alterações indesejáveis.

Enquanto não aparece um outro trabalho e o atual não se ajeita (aliás não creio que após um ano de confusões ele irá se ajeitar), parei para focar no que realmente gosto, algo que já tenho tratado na minha terapia há algumas sessões.

Estou vendo se consigo uns trabalhos como free lancer (o que não me deixa tranqüilo, pois é sempre uma incerteza) na área que me identifico: preservação e manejo de espécies, ecologia e sustentabilidade. Se tudo der certo, já tenho uma base de pesquisa para o mestrado que vou tentar em ecologia no final do ano.

O que preciso no momento é um trabalho que me dê estrutura financeira, e, por conseguinte, emocional. Contudo, enquanto isso não aparece, não adianta ficar me lamentando e sofrendo. É hora de investir na minha paixão, encarar esse trabalho, seja como voluntário ou como free lancer, e dar continuidade na minha vida acadêmica.

Para quem gosta do assunto deixo aqui as informações sobre a série:

In Treatment

untitled

A série está na terceira temporada e atualmente possui o seguinte conteúdo (retirado do site http://www.hbomax.tv/intreatment):

EM TERAPIA, uma série emocionante e instigante com um enfoque diferente para uma necessidade básica da sociedade moderna – as sessões de psicoterapia. Adaptação de uma série popular israelense, ela apresenta o dia a dia do psicanalista Paul Weston (Gabriel Byrne, vencedor do Globo de Ouro®) mostrando as sessões com seus pacientes. A terceira temporada de EM TERAPIA acompanha o psicanalista Paul Weston durante sete semanas consecutivas de sessões de terapia com seus pacientes e com sua própria psicanalista.

Frances é uma ex-atriz dos palcos e telas, que está com dificuldade de memorizar os diálogos de um grande papel na Broadway. Ela cuida da irmã, paciente terminal de câncer no seio, e das implicações que essa situação traz para sua própria saúde.
Sunil e seu filho acabam de mudar-se de Calcutá para o Brooklyn, mas a vida na América não é fácil. Ele discorda do jeito que seu filho e a nora educam os filhos e suspeita que ela esteja traindo seu filho. Jesse, um adolescente gay, sofre muito por isso e pelo relacionamento com seus pais adotivos. Sua mãe biológica reaparece em sua vida trazendo-lhe trágicas consequências. Paul, então, procura o apoio de uma jovem psicanalista, Adele .
Frequentes insônias e um sonho recorrente indicam que Paul pode ser portador do Mal de Parkinson, tal como seu pai. Frustrado com seus pacientes e finalizando o seu divórcio, ele recebe Max, seu filho adolescente, que decide passar a morar com ele. A série EM TERAPIA faz uma análise minuciosa da mente complicada de um homem, cujo trabalho é aconselhar outras pessoas.

4 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ninguém por aí disse...

Gostei muito do seu blog e especialmente de suas dicas. Espero que continue publicando mais pois certamente voltarei a lê-lo. Me descobri soropositivo há 3 meses e tenho vivenciado todo esse processo. Assim como você criei um blog para lidar com isso e tem me ajudado muito. Obrigado pelo blog e um grande abraço.

Ninguém por aí disse...

Fiquei com ódio do preconceito que sua irmã teve. Imagino que não saberei como lidar com isso. Como vcs estão agora?

Positivo Sim disse...

Ninguém por aí,
me perdi em relação ao comentário sobre a minha irmã, pois deve estar em algum outro post.
De qualquer forma hoje em dia todos os irmãos tem se dado muito bem.
Em relação ao ódio, repito umaz frase de um outro post, citando um filme: "de nada adianta odiar, pois ou a pessoa não sabe que você a odeio, ou simplemente não se iumporta" (ou algo do gênenro).
Ó dio só faz mal a quem odeia.
Abraços